7 livros fundamentais de Charles Dickens

Um certo indivíduo, por sua aclamada produção literária, obteve grande destaque na sociedade inglesa durante o período da chamada Era Vitoriana (1837-1901).

Seu nome era Charles John Huffam Dickens, um escritor que, em pleno séc. XIX, se tornou um verdadeiro best-seller. Para alguns, inclusive, ele foi o primeiro deste gênero.

livros de charles dickens

Dickens se tornou uma celebridade no cenário cultural britânico.

Sua vida e casamento eram assunto de jornal, além de que seus textos, publicados mensalmente na forma de fascículos, vendiam e esgotavam rapidamente.

Dois exemplos:

  1.  Com a publicação do capítulo 10 de “As aventuras do sr. Pickwick” (que apresenta um personagem chamado Sam Weller), as vendas explodiram, tornando o livro um verdadeiro fenômeno literário.
  2.  A primeira tiragem do famoso “Um conto de natal” esgotou em apenas 5 dias.
Charles Dickens 01
Charles Dickens – Foto por George Herbert Watkins (1858)

O produtivo escritor inglês Charles Dickens publicou uma grande quantidade de romances e contos, além de algumas peças teatrais e diversos textos jornalísticos.

A produção de Dickens mescla muito bem o belo com o grotesco. Sua obra também trabalha com o humor, onde personagens cômicos são inseridos em situações inusitadas.

No entanto, as críticas sociais são a sua maior marca.

Dickens foi um grande crítico das consequências negativas provocadas pela Revolução Industrial.

Durante este período, a Inglaterra transitou da produção artesanal para a produção por máquinas, promovendo diversas mudanças na sociedade.

As condições de vida dos trabalhadores pobres eram degradantes, com pessoas vivendo em subúrbios extremamente precários, sem nenhuma condição de higiene, em ruas sem pavimentação, sem esgoto e sem segurança.

Charles Dickens 02
Dickens’ Dream – Ilustração de Robert William Buss. (Charles Dickens Museum, London)

Charles Dickens apresentava, para seus leitores, tudo aquilo que alta sociedade britânica fingia não ver. Seus livros tratam de temas como:

  • Miséria
  • Trabalho infantil
  • Violência doméstica
  • Péssimas condições de trabalho
  • Ausência de educação de qualidade para os mais necessitados
  • Desemprego
  • Prostituição
  • Avareza
  • Desprezo

Essa preocupação do autor diante da pobreza tem origem, em grande parte, de sua infância.

Ainda jovem, com o pai preso por não conseguir pagar suas dívidas, Dickens foi obrigado a fazer alguma coisa para sustentar sua família.

Durante alguns meses, trabalhou numa fábrica de graxa de sapatos.

Testemunhando, de perto, as condições de pobreza da classe trabalhadora inglesa, Charles Dickens acaba se tornando um verdadeiro militante das reformas sociais, refletindo isso nos seus livros e personagens.


Veja também:

• [VÍDEO] 4 motivos para ler Charles Dickens

• [POST] 27 clássicos da literatura irlandesa que você precisa conhecer


Separei, nessa lista, 7 livros fundamentais de Charles Dickens. Confira abaixo:

 

  • David Copperfield

Editora: Companhia das Letras
Ano da publicação no Brasil: 2018
Páginas: 1160

No prefácio de 1867 da edição de “David Copperfield”, Charles Dickens escreveu:

“… agora só posso fazer ao leitor mais uma confidência. De todos os meus livros, este é o de que gosto mais. É fácil acreditar que sou pai afetuoso de todos os filhos de minha fantasia, e que ninguém jamais amará essa família mais do que eu. Mas, assim como muitos pais afetuosos, tenho no fundo de meu coração um filho predileto. E seu nome é David. Copperfield.”

Entre os anos de 1849 e 1850, após a distribuição mensal de seus capítulos, esta enorme obra (a edição brasileira mais recente possui 1312 páginas) foi publicada como livro.

Trata-se de um romance autobiográfico e de formação. O livro conta a história de David Copperfield, desde a sua infância até a vida adulta.

David Copperfield
David Copperfield – Capa da 1ª edição

Considero impossível definir qual é o melhor romance de Dickens. No entanto, para alguns, “David Copperfield” foi sua obra máxima.

Em 1999, a obra foi adaptada como filme. Nesta, David Copperfield é interpretado por Daniel Radcliffe (isso mesmo, o Harry Potter).

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2CBZb82

– Livro no Submarino: http://compre.vc/v2/53e140a8d5

– Livro na Americanas: http://compre.vc/v2/530233b31c

 

  • Conto de Natal

Editora: L&PM
Ano da publicação no Brasil: 2003
Páginas: 144

Esse é aquele tipo de livro que você pode até não ter lido, mas já tem uma certa ideia da história.

A influência cultural desta obra é enorme. Sem dúvida é um dos títulos mais famosos de Charles Dickens.

Conto de natal
Marley’s Ghost – Ilustração de John Leech (1842)

A obra foi adaptada, inúmeras vezes, para o teatro, cinema, quadrinhos, musicais, entre outros.

O mais curioso é que o livro “Conto de Natal” (publicado originalmente como “A Christmas Carol”, 1843) foi escrito em menos de 30 dias com o simples objetivo de pagar algumas dívidas.

Assim que lançado, vendeu mais de 6.000 unidades em uma semana, o que, para a época, tornou este livro um verdadeiro exemplo de best-seller.

O livro conta a história do sr. Scrooge, um idoso rico, mal-humorado e extremamente avarento que odiava o natal.

Quem viu o filme “Os Fantasmas de Scrooge” (2009) possivelmente associa, automaticamente, o rosto deste personagem com o do ator Jim Carrey.

Na noite da véspera de natal, após ser avisado por um fantasma de seu ex-sócio Jacob Marley, o sr. Scrooge recebe a visita de três espíritos que mudam sua maneira de ver o mundo.

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2d5p0Rk

– Livro no Submarino: http://compre.vc/v2/53e43f9fba

– Livro na Americanas: http://compre.vc/v2/53a3ea4fef

 

  • Grandes esperanças

Editora: Penguin
Ano da publicação no Brasil: 2012
Páginas: 704

Em “Grandes esperanças” temos a história de Philip Pirip ou, simplesmente, Pip, um jovem órfão, criado com extremo rigor por sua irmã e que, em determinado momento, recebe uma enorme fortuna.

Com a riqueza, Pip não consegue conter o seu sentimento de desprezo pela antiga vida, passando a rejeitar seus amigos e sua família, envergonhado das origens humildes.

O romance foi publicado no formato de folhetim entre os anos de 1860 e 1861, na All The Year Round, uma conhecida revista literária britânica do período vitoriano.

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2donM4V

– Livro no Submarino: http://compre.vc/v2/53186f40ad

– Livro na Americanas: http://compre.vc/v2/5391d1deb2

 

  • Oliver Twist

Editora: Hedra
Ano da publicação no Brasil: 2011
Páginas: 376

O livro “Oliver Twist” é considerado um dos maiores clássicos deste escritor, principalmente pelo fato de ser o primeiro romance inglês cujo personagem principal é uma criança.

Nesta obra, Dickens apresenta a infância de Oliver Twist, um jovem pobre que acaba mergulhando no mundo da criminalidade por conta de uma série de dificuldades.

Oliver Twist
Ilustração da 1ª edição de Oliver Twist – Arte por George Cruikshank

Trata-se de mais um livro com afiada crítica social, abordando o tema da delinquência juvenil numa sociedade profundamente desigual e com poucas oportunidades.

Assim como em “Grandes esperanças”, o protagonista desta história também é órfão.

Em 2005, o diretor polonês Roman Polanski, com roteiro de Ronald Harwood, adaptou este livro para o cinema.

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2cOnBkE

 

  • Um conto de duas cidades

Editora: Estação Liberdade
Ano da publicação no Brasil: 2010
Páginas: 480

Inspirado na Revolução Francesa (1789-1799), “Um conto de duas cidades” foi publicado em 1859.

O livro possui algumas particularidades que diferem este das demais produções de Charles Dickens.

Este romance histórico que nos apresenta as condições de vida no final do século XVIII.

A história foi ambientada em duas localidades: Inglaterra e França, mais especificamente, Londres e Paris.

De certo modo, a capital da Inglaterra representa a paz e a tranquilidade, enquanto a capital francesa é um reflexo do caos e da instabilidade.

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2dho3Lm

– Livro na Americanas: http://compre.vc/v2/5326f72134

 

  • Tempos difíceis

Editora: Boitempo
Ano da publicação no Brasil: 2014
Páginas: 336

“Tempos difíceis” (Hard Times, 1854) foi o décimo romance de Charles Dickens.

A obra foi publicada, periodicamente, na Household Words, revista semanal editada pelo próprio Dickens.

Um fato curioso e que, de certo modo, representa bem o que Charles Dickens foi, é que esta revista tinha um custo muito reduzido para atingir o máximo de pessoas.

Saindo do habitual, a obra não possui passagens na cidade de Londres, sendo ambientada na fictícia cidade de Coketown, localizada no norte da Inglaterra.

Neste romance, Dickens critica a profunda desigualdade social provocada pela Revolução Industrial na Inglaterra.

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2d5qjjf

– Livro no Submarino: http://compre.vc/v2/53e100b0ce

– Livro na Americanas: http://compre.vc/v2/5378ca2379

 

  • As aventuras do sr. Pickwick

Editora: Globo
Ano da publicação no Brasil: 2004
Páginas: 838

O calhamaço “As aventuras do sr. Pickwick” (no original The Posthumous Papers of the Pickwick Club) foi o primeiro romance de Charles Dickens, que na época utilizava um pseudônimo chamado “Boz”.

Além disso, o sucesso desta obra foi fundamental para alavancar a carreira deste escritor.

Pickwick
Capa original (1836)

O livro conta a história do sr. Pickwick e de seus companheiros enquanto viajam pela Inglaterra com o objetivo de recolher dados e produzir anotações sobre descobertas científicas e detalhes da vida das pessoas.

Recheado de humor, o livro utiliza personagens extremamente estereotipados para produzir uma sátira das classes cultas inglesas, do sistema de justiça e do cientificismo.

A crítica social se faz presente em praticamente toda obra.

– Para ler a sinopse ou comprar o livro, acesse o link da Amazon (BR): http://amzn.to/2dgRb0y

 


Obs: ao comprar através dos links acima, você está ajudando na manutenção deste blog (Leia para Viver) e respectivos canais.

4 Comentários


  1. Tem uma carta que Charles Dickens escreveu para o Times, em 1849, depois de assistir à execução por enforcamento do casal Marie e Frederick Manning, que assassinou o milionário Patrick O’Connor, amante de Marie. Dickens escreve em tom desesperado ao jornal, descrevendo o júbilo da população ao assistir ao espetáculo brutal e desumano, ” que davam motivo para qualquer homem envergonhar-se da própria aparência e temer a si mesmo como se tivesse sido criado à imagem do demônio.” E, por incrível que pareça, Dickens fala da corrupção do país e clama a população à reflexão. Não vê possibilidade de uma comunidade prosperar se ela admira cenas de horror!!!

    Responder



Deixe uma resposta