Algumas dicas para melhorar seu hábito de leitura

Estava pensando em como consegui melhorar meu hábito de leitura ao longo do tempo e cheguei a conclusão de que, mesmo sem perceber, tomei algumas atitudes que funcionaram muito bem.

hábito de leitura

Como a maioria dos leitores, tive altos e baixos quando o assunto é regularidade na leitura.

Confesso que não acredito muito naquela visão meio fantasiosa de que basta um dia frio ou chuvoso para você, automaticamente, pegar um livro e mergulhar na história como se não houvesse amanhã.

Às vezes, manter o hábito de leitura não é tão simples.

Tem dias em que não estamos com vontade e ponto. Ou você até quer ler algo, mas acaba cedendo para gastar seu tempo com outra coisa, como um filme ou série.

Nada de errado, até porque o hábito de leitura dificilmente será aprimorado se for uma tarefa, como acontece, por exemplo, quando temos que ler algo que não queremos por conta de faculdade, curso, entre outros.

Sendo assim, a proposta dessa postagem é de dar algumas dicas para quem deseja criar ou melhorar seu hábito de ler por prazer.

Na minha visão, cultivar esse hábito está muito relacionado com a ideia de transformar a leitura em algo extremamente natural.

Ler por prazer seria como fazer do livro um amigo fiel, daqueles que você gosta de conversar todo dia.

Tem um trecho, escrito por Francis Bacon, que reflete um pouco dessa ideia:

“A primeira vez que leio um bom livro é como se tivesse ganhado um novo amigo. Quando leio um livro que já li parece que estou reencontrando um velho amigo.”

Separei algumas dicas, um tanto quanto pessoais, de coisas que eu mesmo faço regularmente para aprimorar meu hábito de leitura. Vejamos:


  • Sempre tenha um livro por perto.

Toda vez que saio, levo um livro na mochila.

A verdade é que nunca sabemos se algo vai nos atrasar. Mesmo para compromissos que, em tese, não vão gastar muito tempo, tenha sempre um livro disponível.

Nesse caso, costumo deixar uns pockets (preferencialmente, livros de contos) separados apenas para ler quando estiver na rua.

Fazer isso vai te ajudar a ler em qualquer lugar, com barulho e até de pé.

  • Seja extremamente curioso

Não se limite lendo apenas lançamentos, best-sellers ou escritores(as) famosos.

Haruki Murakami, em seu livro “Norwegian Wood”, diz o seguinte:

“Se você só lê o mesmo que todo mundo lê, acaba pensando o mesmo que todo mundo pensa.”

(Veja também: Alguns motivos para você ler os livros de Haruki Murakami)

Procure clássicos, escritores menos conhecidos ou livros de editoras pequenas.

Também não leia somente literatura. Tente livros de história, filosofia, biografias etc.

Ler uma variedade maior de coisas vai, com certeza, estimular tanto sua curiosidade quanto melhorar seu hábito de leitura.

Uma dica é selecionar parte das suas leituras de acordo com a localidade de origem do escritor ou escritora.

Quando pequeno (e até hoje, na verdade), gostava muito de ficar lendo sobre outros países no atlas. Acho que isso me tornou bastante curioso em relação a cultura de vários locais.

Pesquisar e ler livros por país foi a melhor forma que encontrei de me aproximar dessas culturas. Além disso, é uma ótima maneira de ampliar nossa visão de mundo.

  • Não force a leitura

Obviamente podem ocorrer circunstâncias em que temos que forçar a leitura.

Por exemplo, quando precisamos estudar para alguma prova.

Mas quando não é esse o caso, evite ler de maneira forçada ou só para terminar mais rápido.

O melhor é ler com calma, aproveitando cada palavra, justamente para você associar a ideia de leitura com um momento prazeroso.

No meu caso, sempre decido parar quando sinto uma ligeira sonolência ou percebo que estou relendo as frases.

  • Pesquise antes

Já coloco isso em prática tem algum tempo.

Sempre, antes de ler algum livro, faça uma pesquisa prévia.

Leia um pouco sobre os escritores, o que eles já publicaram e se possuem algum blog ou site oficial.

Também leia a sinopse do livro para descobrir mais alguns detalhes e pesquise na internet sobre eles.

Por exemplo:

Digamos que você deseja ler algo do Charles Dickens. (Veja também: 7 livros fundamentais de Charles Dickens)

Para estimular a imaginação, você pode procurar, por exemplo, algumas imagens relacionadas ao período da Era Vitoriana.

Também pode buscar curiosidades sobre a vida desse escritor ou se o livro em questão já foi adaptado para o cinema.


Aproveite e assista:

Se você sabe mais alguma dica e quer contribuir, deixe ai nos comentários!

♦ Lembre também de acompanhar o blog Leia Para Viver nas redes sociais: YouTubeFacebook Instagram.

17 Comentários


  1. Eu acredito mais na qualidade da leitura do que na quantidade. Gosto de ler com calma, “saboreando” o livro, a escolha das palavras, o universo dos personagens e a descrição dos ambientes! E concordo com suas dicas: temos que tentar adquirir o hábito da leitura, mas sem cair na obrigação. Ler é puro prazer!

    Responder

    1. Hoje, ao fazer uma auto-análise (passados sessenta anos) percebo que tive pouquíssimos momentos de solidão ,sempre tive a companhia de grandes autores que me proporcionam até hoje momentos mágicos. Devo isso a meus país, grandes leitores, observadores perspicazes dos tempos que viveram…

      Responder

    2. Também sou assim. Melhor um livro muito bem lido e compreendido do que 10 livros que esqueceremos em pouco tempo. Acredito que a leitura por obrigação é inevitável em certos momentos, mas temos que saber diferenciar as coisas. Ler por prazer é um dos melhores hábitos que podemos adquirir numa vida.

      Responder

  2. Particularmente acho importante não sentir culpa por deixar um livro sem terminar . Se não está gostando deixe de lado.

    Responder

    1. Concordo. Acho que quem se preocupa em terminar um livro mesmo sem gostar são pessoas que ainda entendem o ato de ler como uma tarefa, sabe?

      Responder

  3. Nunca havia pensado em ler de acordo com o país do autor. Interessante. Acho legal também pegar um livro de cada escritor clássico. Assim, consigo conhecer um pouco de cada. Porém, como você mesmo apontou no seu texto, não podemos ficar só nesses escritores.

    Responder

    1. Boa ideia! Acho interessante revezar também. Num determinado momento, leia um clássico. Em outro, leia um contemporâneo. E por ai vai! Considero ler livros de acordo com a localidade do escritor como uma ótima maneira de ampliar seus horizontes, além de que rompe preconceitos e faz o leitor conhecer elementos culturais dos mais diversos.

      Responder

  4. Atualmente, algo que está me ajudando é ler um livro de cada vez. Claro que precisamos fazer várias leituras para a faculdade, escola ou trabalho, mas os livros que leio por prazer, estou pegando um de cada vez. O que acontecia comigo era que eu pegava um monte de livros que me interessavam bastante e começava ao mesmo tempo. Isso é um reflexo de ansiedade, algo que me atrapalha em várias outras esferas da vida (nada patológico, apenas tenho uma personalidade ansiosa). O resultado era que eu raramente terminava todos os livros que começava (na verdade, terminava a minoria). Alguns livros não são interessantes logo de cara, e o fato de eu estar lendo vários livros me tirava o ânimo de persistir nos que não começavam já me arrebatando. Desde que comecei a ler um livro por vez, acho que leio melhor e inclusive vou treinando um modo de controlar a ansiedade. Vai de cada um, mas se firmo o compromisso de só começar um novo livro ao terminar o atual, fico mais motivada a passar por trechos monótonos de alguns livros.

    Responder

    1. Oi Alice. Tudo bem? Teve um tempo em que eu lia mais de uma obra por vez. A solução que tive foi a seguinte: peguei tudo que estava na minha estante e verifiquei tanto o que faltava ler quanto os que estavam só ocupando espaço. Doei aquilo que não pretendia ler. Depois, comecei a ler, um por um, os que faltavam. Acho que isso me ajudou no hábito de ler um livro de cada vez.

      Responder

  5. Tenho sempre meu livro por perto, mas um de cada vez!
    Adoro escolher com cuidado ,o autor, o tema, local e época em que o livro se baseia
    Sempre que termino a leitura de um livro, escrevo sobre ele , as minhas sensações, o que ele me trouxe de novo, o que mais me encantou, ou me chocou…as características do escritor etc
    Tenho vários cadernos com essas observações e muitas vezes as releio, acho importante para mim ter esses registros!

    Responder

    1. Também gosto de registrar. Registro as frases que me impactaram. Desde criança faço isso. As vezes gosto de pegar e reler o que registrei. Gosto de ver o que era importante para mim naquela época e agora. O que lia e o que leio.

      Responder

  6. Adorei as dicas. Algumas até já pratico, tenho sempre um livro comigo. Minhas viagens de ônibus e metrô passaram a ser agradáveis.
    Estou precisando aprender a não ter que ler um livro até o fim mesmo não gostando. Fico com a sensação de que não dei uma 2ª chance para o livro :).

    Responder

  7. Rodrigo,

    muito bom o seu post. Mais perto dos 50 anos que dos 40 eu mantenho velhos hábitos de leitura. Sou um leitor, e comprador, de livros compulsivo. Vejo muito pouca tv, que detesto. Desde a infância tive a sorte de poder estudar em boas escolas e encontrar uma bibliotecária que me incentivava sempre a ler cada vez mais.

    Ler é um ato de celebração, me transporto para o mundo daquele livro, não poderia viver sem livros. Ler um bom livro é como estar montado em minha moto, numa bela estrada… Não consigo entender como existem pessoas que dizem que não gostam de ler. Acredito que a grande maioria das pessoas apenas existe, elas nem sabem que estão vivas.

    Das suas dicas sigo algumas, sempre tenho um livro comigo, sempre. Me irrita profundamente chegar em uma sala de espera de consultório, ou algo que o valha, e encontrar uma maldita tv ligada num volume ensurdecedor.

    Leio uma média de 40 a 60 livros por ano. E leio de tudo, literatura que privilegio os clássicos, amo História e História Militar, fui oficial do EB e tenho um acervo pessoal respeitável sobre as I e II Guerra, além do Vietnam. Também gosto muito de biografias. Além disso leio muitos livros de música.

    Leio mais de um livro por vez, hábito antigo. Sempre que possível pego assuntos bem diferentes um do outro.

    Em média, compro algo entre 40 a 60 livros por ano. Minha fila de leitura sempre aumenta… e é desolador saber que vou morrer sem dar conta de ler tudo o que desejo…

    Leio escrevendo nos livros, meus livros estão cheios de passagens sublinhadas, comentários e afins. Também gosto de reler, algumas obras reli mais de duas vezes. Sou amante do livro de papel, quanto mais antigo melhor, garimpar raridades em sêbos é um esporte sensacional. Torço o nariz para kindles e e-books. Preciso do papel.

    Das modernidades eu gosto do Skoob, uma boa comunidade de leitores.

    É inegável que alguns livros são de leitura mais complicada. Comecei e larguei Ulysses de Joyce algumas vezes… mas é um desafio e ainda vou concluir… Proust está nessa mesma lista…

    Se não fosse pela minha moto, eu diria que vivo no século XIX. kkkkkk…

    Boas leituras…

    Responder

  8. Sou leitora contumaz desde os 14 anos, comecei “devorando” a linhagem de “Clarissa” de Erico Verissimo, naveguei por outros mares, caí em “O tempo e o vento”, de Erico, e a literatura tomou conta da minha vida. Sou professora universitária aposentada, li muita literatura gaúcha e muita literatura brasileira. Para mim, o segredo é vontade, disposição para…Hoje em dia, tenho dificuldade para ler o livro impresso, o que não me fez menos apaixonada por leitura, dispenso leituras de autoajuda, prefiro focar em obras literárias propriamente ditas ou arriscar-me em áreas afins que me permitam compreender melhor o texto literário.

    Responder


  9. Sou leitora de livros desde a minha adolescência, e sempre tive livros perto de mim. Eu até hoje tenho a mania de carregar um ou dois livros quando saio de casa para ir para qualquer lugar. A primeira diga que vc postou aqui Rodrigo tem tudo a ver comigo.

    Responder

Deixe uma resposta