7 Grandes Escritores Irlandeses Que Todo Apaixonado Por Livros Precisa Conhecer

Você sabia que Oscar Wilde, James Joyce e Bram Stoker são escritores irlandeses?

Além destes, muitos outros autores importantes para a literatura também nasceram na Irlanda.

Escritores irlandeses
Escritores irlandeses

Confesso que a riqueza da literatura irlandesa foi algo que me surpreendeu.

Descobrir que tantos nomes famosos são daquele pequeno território foi algo que me deixou profundamente interessado em relação a cultura do país.

No entanto, vale ressaltar que muitos destes escritores, apesar da origem irlandesa, eram parte do chamado Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda (1801-1922), onde o Reino na Grã-Bretanha e Reino da Irlanda estavam politicamente conectados.

Isso se difere do que chamamos, hoje, de República da Irlanda, que desde 1922 é reconhecido como um país independente.

Dublin: a capital dos Escritores Irlandeses

Dublin
Dublin

Um elemento muito curioso é que quase todos estes autores irlandeses são da mesma cidade: Dublin, capital, centro cultural e maior cidade da Irlanda.

Especificando ainda mais, muitos deles estudaram na mesma universidade, a Trinity College.

Esta universidade, apesar de muito renomada e importante para o cenário europeu, é mais conhecida pela sua lindíssima biblioteca, considerada por muitos como a mais bonita do mundo.

É lá que está armazenado, por exemplo, o Livro de Kells, um raro manuscrito ilustrado.

A Literatura Irlandesa em 7 autores

A proposta dessa lista é de, simplesmente, introduzir ao leitor algumas figuras importantes do que conhecemos como literatura irlandesa.

Sei que certos nomes podem fazer falta mas preferi não estender muito.

Futuramente posso preparar uma lista maior e, quem sabe, com escritores contemporâneos.

Confira, logo abaixo, a lista de escritores irlandeses!

Oscar Wilde

Oscar Wilde

Vamos começar por um dos mais famosos escritores da Irlanda. Nada mais, nada menos, que Oscar Fingal O’Flahertie Wills Wilde (1854-1900).

Oscar Wilde nasceu na cidade de Dublin e estudou no Trinity College. Após ganhar uma bolsa de estudos, se mudou para a Inglaterra, residindo primeiro em Oxford e depois em Londres.

É autor do clássico gótico O Retrato de Dorian Gray (The Picture of Dorian Gray), lançado em 1890.

Este livro, que foi o único romance publicado por Wilde, é um trabalho de valor inestimável para a literatura de língua inglesa.

No entanto, após sua publicação na revista literária Lippincott’s Monthly Magazine, a obra foi considerada como imoral – pela crítica da época – pois contém elementos de homossexualidade em determinados trechos.

Não apenas o livro, mas também o próprio Oscar Wilde foi alvo de duras críticas. Tanto que o autor acabou cedendo e revisando o texto, reduzindo os elementos tidos como “imorais” e publicando uma nova edição em 1891.

Apesar de apenas um romance publicado, Oscar Wilde também trabalhou com outros gêneros como dramas, novelas, contos e poesia.

Jonathan Swift

Jonathan Swift

O escritor irlandês Jonathan Swift (1667-1745) mesclou a sátira com a fantasia para compor textos profundamente críticos e que alfinetavam os hábitos da aristocracia.

Escreveu obras como: História de um tonel, A batalha dos livros, Modesta Proposta, Versos sobre a morte do doutor Swift, entre outros.

Contudo, sua obra mais conhecida é, sem nenhuma dúvida, As Viagens de Gulliver (Gulliver’s Travels).

Este grande clássico da literatura foi lançado em 1726 e faz parte da memória afetiva de muita gente.

O livro faz uma espécie de análise da sociedade, além de criticar a postura do homem em vários âmbitos como, por exemplo, na paixão exagerada tanto pelo poder, quanto pelo dinheiro.

As Viagens de Gulliver
As Viagens de Gulliver – O rei de Brobdingnag (localidade fictícia do livro) e Gulliver.

As Viagens de Gulliver foi adaptado diversas vezes, sendo várias destas para o cinema e televisão.

Uma das primeiras e mais conhecidas adaptações foi feita pelo francês Georges Méliès (aquele mesmo, do Viagem à lua).

O curta, com pouco mais de 4 minutos, se chama Le Voyage De Gulliver À Lilliput Et Chez Les Géants e, para a alegria geral, está disponível no YouTube!

Bram Stoker

Bram Stoker

Outro escritor da Irlanda conhecido no mundo todo é o Bram Stoker (1847-1912), tido como um dos grandes nomes da literatura de terror.

Desde pequeno, Bram Stoker tinha muitos problemas de saúde, o que fez com que boa parte de seus estudos iniciais fossem realizados em casa, através de professores particulares.

Ao que parece, nesse período sua mãe gostava de contar histórias de terror para o filho, fato que influenciou todo o trabalho deste escritor.

Sua obra-prima foi a novela gótica Drácula (1897), referência máxima na temática de vampiros e romance que rendeu elogios de escritores como Oscar Wilde e Sir Arthur Conan Doyle.

O livro já sofreu inúmeras adaptações, principalmente para o cinema.

Drácula
Drácula (1958) – Cena do filme.

Bram Stoker também escreveu: A jóia das sete estrelas, Miss Betty, O caixão da mulher-vampiro etc.

Dizem uma prova de que você ficou importante é quando criam um prêmio com o seu nome.

Como não poderia faltar, em 1987 a Horror Writers Association criou a Bram Stoker Awards, premiação responsável por destacar diversos escritores que trabalham com o gênero de terror.

James Joyce

James Joyce

Dono de uma escrita bela e da incrível capacidade de compor romances altamente complexos, James Joyce (Dublin, 1882-1941) foi um dos principais escritores irlandeses.

Em boa parte de sua vida, Joyce viveu além das fronteiras de seu país, seja na França, seja na Suíça ou em outros locais do continente europeu.

Só que sua obra, mesmo assim, transparece um forte enraizamento com sua cidade natal.

Uma exemplo disso está na obra Dublinenses (Dubliners), livro de contos que demorou cerca de 10 anos para ser concluído e que trata de vários elementos referentes aos cidadãos de Dublin.

Sua obra mais famosa é, no entanto, o calhamaço Ulysses, livro que ultrapassa a casa das 1000 páginas e que possui inspiração na Odisseia, de Homero.

Busto de James Joyce
Busto de James Joyce – Dublin

Um fato curioso é que James Joyce pretendia, durante a composição do livro Dublinenses, acrescentar um conto chamado Ulysses, mas acabou mudando de ideia e optando por usar esta história num único romance.

Esta obra foi publicada, após alguns percalços por conta de censura, pela famosa livraria parisiense Shakespeare and Company, em 1922.

Na época, o estabelecimento era frequentado por grandes escritores como Ernest Hemingway, F. Scott Fitzgerald, Ezra Pound e Gertrude Stein.

Outras obras famosas de James Joyce são: Retrato do Artista Quando Jovem; Pomas, um Tostão Cada; Finnegans Wake, entre outras.

Isabella Augusta Gregory

Isabella Augusta Gregory

A escritora Isabella Augusta Gregory (1852-1932), mais conhecida como Lady Gregory, foi muito relevante no incentivo da literatura e da dramaturgia irlandesa.

Lady Gregory participou, por exemplo, da fundação do Irish Literary Theatre, um importante teatro cujo objetivo principal era promover o teatro nacional.

Como folclorista, a escritora também fez parte da chamada Renascença Céltica (Irish Literary Revival), movimento que impulsionou o orgulho irlandês diante de sua cultura, língua (o gaélico irlandês) e folclore.

Infelizmente, quase nada desta importante escritora irlandesa foi traduzido para o português.

Sheridan Le Fanu

Sheridan Le Fanu

Uma coisa é certa: literatura gótica era assunto sério na Dublin do século XIX.

Se não bastasse esta cidade ser a terra de escritores como Oscar Wilde e Bram Stoker, é também de lá o mestre das histórias de fantasma Sheridan Le Fanu (1814-1873).

Este escritor irlandês tinha profundo interesse por lendas sobre vampiros, fenômenos de caráter sobrenatural, estudos sobre demônios e também por ocultismo.

Tal fato, claramente, influenciou na sua obra e transformou Sheridan Le Fanu em um dos grandes responsáveis por popularizar o gênero de terror na literatura moderna.

Carmilla, a vampira de Karnstein é sua obra mais famosa e influente. Tão influente que alguns elementos deste livro foram utilizados por Bram Stoker na composição do livro Drácula.

Carmilla, a vampira de Karnstein
Carmilla, a vampira de Karnstein – Ilustração da época

A obra, que já possui resenha em vídeo em nosso canal do YouTube, foi publicada entre os anos de 1871 e 1872, numa revista londrina chamada The Dark Blue.

Como era comum naquele período, toda a história foi transmitida ao público no formato de folhetim.

Samuel Beckett

Samuel Beckett

Figura central do Teatro do Absurdo, o Nobel de Literatura Samuel Beckett (1906-1989) está entre os maiores dramaturgos e escritores irlandeses.

A obra de Beckett é muito influenciada pela produção de James Joyce. Ambos chegaram a se conhecer em Paris e se tornaram amigos.

Esperando Godot (1952), uma das suas primeiras peças de teatro, é também um de seus trabalhos mais conhecidos.

Neste texto, composto em dois atos, os personagens Vladimir e Estragon aguardam um tal de Godot.

O texto foi publicado originalmente no francês e, em seguida, traduzido para o inglês pelo próprio autor.

Além de peças, Samuel Beckett também escreveu poesia, contos, romances, novelas e ensaios.

Extra: alguns outros escritores irlandeses

Os escritores citados acima foram os que optei por destacar. Contudo, como eu disse anteriormente, a literatura irlandesa é muito rica.

Por esse motivo, para quem tiver interesse em pesquisar, separei mais alguns nomes importantes:

  • Edna O’Brien
  • William Butler Yeats
  • Laurence Sterne
  • George Bernard Shaw
  • Kate O’Brien
  • Seamus Heaney

Conclusão

No cenário europeu, a Irlanda possui papel de destaque quando o assunto é produção literária.

Os escritores irlandeses e suas respectivas obras foram capazes de ultrapassar as fronteiras, se tornando parte do mundo.

Espero que esta lista tenha te incentivado a conhecer um pouco mais da incrível literatura irlandesa.

Se quiser, deixe um comentário sugerindo outros escritores! Também compartilhe essa postagem com os seus amigos:

>> Compartilhe no Google+

>> Compartilhe no Facebook

>> Compartilhe no Twitter

 

Deixe uma resposta